quarta-feira, 9 de março de 2011

(...) e eu não quero mudar nada

''Ele disse : Eu gosto de muitas mulheres, não consigo ter uma mulher só.
Ela sorriu em resposta.
Ele disse: Eu gosto de estar sozinho, eu sou livre, não devo nada a ninguém.
Ela acendeu o cigarro e olhou para baixo.
Ele disse: Eu não gosto de mulheres que me sufocam com o seu amor, gosto que me entendam e respeitem a minha liberdade.
Ela sorriu e pôs o fumo para fora.
Ele disse: Vamos passar um bom tempo juntos, eu gosto de ti, tu não destróis o meu cérebro com coisas desnecessárias.
Ela apagou o cigarro e olhou lhe nos olhos.
Ele percebeu que ela não estava contra e ficará com ele.
Ele disse: Provavelmente já tiveste montes de homens. Quantos homens tiveste?
Ela abraçou-o com força. Ela foi muito carinhosa.
Ele perguntou: Estas bem comigo?
Ela fechou os olhos e beijou-o.
Saindo pela manhã ele disse: Foi tudo óptimo, só que é melhor isto ficar entre nós, é que não és a minha mulher.
Ela estendeu a mão e tirou um cabelo invisível do seu ombro.
Ele disse: Eu mais tarde ligo, ou se não te ligar – esquece-me.
Ela acenou com a cabeça e fechou a porta.
Ele ligou-lhe mais tarde no mesmo dia.
Ela não estava em casa, ela estava a divertir se. Ela estava bem sem ele.
Ela encontrou se com ele só passado uma semana.
Ele perguntou: Divertiste muito sem mim?
Ela ofereceu lhe um café e fez sexo com ele. Era o que ele queria.
Ele ligava-lhe quase todos os dias.
Ela muitas vezes apenas desligava a chamada.
Ele estava com ela quando ela podia.
Ela estava com ele sempre sem explicar porquê estava lá. Mas ela simplesmente estava lá.
Ele percebeu que queria ficar com ela.
Ele ficava nervoso sempre que ela rejeitava as chamadas.
Ele perdia os cabelos quando sabia que ela foi vista com outro.
Ele tinha medo que ela estivesse assim tão carinhosa e calma com todos.
Ele tinha medo que ela só estava a brincar, e não queria acreditar nisso.
Ele queria assumir a relação perante todos.
Ela era contra.
Ele queria que ela fosse apenas dele.
Ele tinha ciúmes mas sabia que ela era para todos e não pertencia a ninguém.
Ele confiava a sua vida nela.
Ele trouxe lhe um enorme ramo de flores.
Ela adorou as flores e eles permaneceram com ela muito tempo.
Ele queria lhe pedir em casamento.
Ela disse: Eu gosto de estar sozinha.
Ele acendeu o cigarro, as suas mãos tremiam.
Ela disse: Eu sou livre.
Ele sentiu enorme frio.
Ela disse: Não devo nada a ninguém.
Ele sentiu o seu coração a parar.
Ela disse: E eu não quero mudar nada.''

Sem comentários:

Enviar um comentário