quinta-feira, 3 de março de 2011

só se ama uma vez de cada vez

'' Toca no meu rosto, sente o gosto do meu toque, toca no meu ombro quando mais nenhum te conforte, toca a tua vida pra frente, conta comigo, que eu sigo, eu caminho do teu lado, eu tou contigo. Só posso ser amigo eu não sei prometer nada, quando nada é garantido acredito que tem mais piada, não penses que é conversa, que só penso em ti na cama, ou quem te quer agora para passar um fim de semana, porque eu respeito essa personalidade, de quem tem muito mais que do que vaidade e futilidade. Não és sereia nem princesa, dama nem duquesa, és mulher com M grande e sabes disso com certeza, respira comigo, o nosso momento é agora, entrega faz por si o que nenhum plano elabora, fecha os olhos e sonha, abre e vive o que acontece, expira agora como se amanhã já cá não estivesse, porque só se ama uma vez de cada vez, sem temer o perder, até poder outra vez, sem deixar de viver. Eu gosto e sei que gostas mas eu não prometo nada, não quero um compromisso isso no fundo é fachada, prefiro amar-te com a mesma liberdade de quem trabalha porque gosta, e não só por necessidade. O amor é livre, se for expontâneo é fixe, porque eu amo estar contigo quando eu não me obrigo a isso, compromisso só magoa só obriga e força coisas. Tipo, eu já não oiço e falas quando eu já só quero que oiças, e discussão vem de obrigação, responsabilidade moral que tens ou não, da desconsideração que tu tens com o teu parceiro, dos ciúmes pelo meio, o bonito torna-se feio. Vês, mais vale estar, andar e ver, mais vale sorrir e respirar do que chorar por temer perder, no fim só tou contigo e como nada é garantido, torna-se mais especial cada palavra ao ouvido. O amor são momentos e a recordação que se guarda, seja afecto com amizade ou a chama que cedo se apaga, química de uma noite que acaba quando acordares, uma ressaca que só te lembras no fundo até gostaste, são histórias que tu contas, tudo o que tu guardas, em memórias que nem com 100 anos apagas, e fica presa a ti esta eterna recordação, que não se apaga ou se consome no ódio de uma traição, na mentira obrigatória em prol da relação, na promessa que se esgota com o tempo esgotado em vão, nas garantias de presenças cada vez mais curtas, nas palavras que querias ouvir mas ja não escutas, e no fim só fica a dor que te destrói, daquilo que podia ter sido mas nunca foi, e eu só te amo uma vez de cada vez, cada segundo que posso até poder outra vez, porque só se ama uma vez de cada vez, sem temer o perder, até poder outra vez, sem deixar de viver (...) ''

Sem comentários:

Enviar um comentário