terça-feira, 5 de abril de 2011

demónios do passado

sabes quando já estás mesmo mentalizado de que acabou? de que não há volta a dar? sabes quando até já estás a seguir em frente , e o passado volta para te atezanar a mente? a mente , o corpo , e como se não bastasse , a alma. eu sinto-me assim , sinto que estava bem , que ia ser tudo fácil daqui para a frente , e realmente , estava a ser. mas estes demónios do passado não deixam , teimam em não deixar. sabes quando uma pessoa te ama , mas é um amor mau , que te faz mal , e que só te leva a uma saída: sofrimento. na verdade , a medida do amor é amar sem medida , mas isso pouco me importa. eu não quero amar , não quero ser amada , não quero nada , quero apenas distância desse sentimento , distância. fingi ser uma coisa que não era , fingi sentir o que não sentia , fingi estar bem quando não estava , obedeci cegamente a vontades que não tinha (...) e por momentos fui feliz , tão feliz. acredita que fui , mesmo sem grande parte de mim , eu fui feliz. sentia necessidade de sair à noite , e saía. queria apanhar uma grande bebedeira , e apanhava. queria estar com este ou aquele , ou com esta e aquela , e estava. nada me impedia disso , nada. mas no fim , faltava-me sempre algo. e não , não eras tu. faltava-me paz interior , faltava-me tranquilidade , faltava-me (...)
voltaste para me deixar de novo? voltaste para me fazer feliz? voltaste para me destruires? voltaste para quê? tu diz-me , diz-me sinceramente. ou melhor , não , não digas. eu prefiro ficar na ignorância , às vezes somos mais felizes sendo ignorantes , não enfrentamos tanto as duras realidades e não temos a plena noção das coisas. sabes , é melhor assim , tu no teu canto , eu no meu. não esperes a minha tolerância e muito menos o meu perdão. não esperes que te ame novamente , não esperes mesmo. não peças que te compreenda , eu não vou compreender. não esperes o meu abraço , eu não to vou dar. não esperes uma mensagem minha , não ta vou mandar. não esperes um telefonema de boa noite , por mim até podes ter insónias. não esperes que te passe a mão na cabecinha quando só me apetece mandar-te um murro. a sério , não esperes nada de mim a não ser desprezo. não esperes ..

Sem comentários:

Enviar um comentário