sábado, 4 de junho de 2011

bed of roses

'' Sentado aqui desolado e magoado neste velho piano, tentando duramente capturar o momento, esta manhã eu não sei, pois uma garrafa de Vodka ainda está depositada na minha cabeça, e alguma loira me deu pesadelos, eu acho que ela ainda está na minha cama, enquanto sonho com filmes que não falarão sobre mim quanto eu estiver morto. Com um punho rígido, eu acordo e dou um beijo de língua na manhã, enquanto alguma banda ao desfilar mantém o seu próprio trajecto dentro da minha cabeça enquanto estamos a conversar, sobre todas as coisas em que eu desejo acreditar, sobre amor e a verdade e o que tu significas para mim, e a verdade é, amor, que tu és tudo o que preciso. Eu quero deitar-te numa cama de rosas, pois esta noite eu durmo numa cama de pregos, eu quero estar simplesmente tão próximo como o Espírito Santo está, e deitar-te numa cama de rosas. Quando tu fechares os olhos, fica a saber que vou estar a pensar em ti. Enquanto a minha amante me chama para permanecer no centro das suas atenções novamente, esta noite eu não estarei sozinho, mas tu sabes que isso não quer dizer que não esteja solitário. Eu não tenho que provar nada, é por ti que eu morreria. ''

um murro nos olhos fazia-te bem (:

Sem comentários:

Enviar um comentário